Perda da Mãe – André Viana | RELATOS

 Em Luto, Relatos

Sou André Viana da Cunha Camponez, hoje tenho trinta e um anos. Faz dois anos e meio que perdi minha mãe, Izaura Viana, na época com sessenta e dois anos. Faleceu vítima de um mieloma múltiplo, um câncer que se desenvolve na medula óssea.
Foi uma surpresa muito grande na época. Pois, se tratava de uma pessoa extremamente saudável, Prof.ª: de Educação Física aposentada. Entretanto, ela sempre estava com os exames de rotina em dia e super ativa no seu cotidiano. A nossa vida estava tudo “sob controle”. Ainda mais, que naquele ano, meus pais completariam trinta e oito anos de casados e muito bem casados. O meu pai, estava prestes a conseguir a sua aposentadoria e logo iriam desfrutar juntos de ambas as aposentadorias merecidas. Assim como, desfrutariam da casa na praia. Estava ficando pronta e era o sonho da mãe ter aquela casa.

Antes da perda da mãe

Morávamos todos juntos, pai, mãe, eu e meu irmão. A vida toda fomos muito próximos e sempre nos demos bem. Meus pais, sempre foram voltados completamente para nossa casa, para nossa educação. Mas, hoje consigo ver que deixaram várias coisas de lado, para dar uma vida melhor para seus filhos.

Não tenho como não citar, a infância difícil que tive e o amparo que meus pais me deram sempre. Após meu nascimento, fui diagnosticado com uma doença chamada toxoplasmose congênita. Uma espécie de vírus, que afetou minhas duas vistas ainda na gestação da minha mãe. E resultou na perda parcial da vista direita e quase que total da esquerda. O que para os médicos é um mistério, pois após exames, chegaram a falar que eu seria totalmente cego.

Então, desde muito cedo me recordo de juntamente com a escola, uma rotina muito frequente de médicos. E acompanhado pelos pais, tive que fazer uma atividade semanal, chamada reeducação visual durante 15 anos. Hoje, olho para trás e não entendo como eles conciliavam trabalho, casa e correr comigo. Para que eu tivesse uma vida mais normal possível, contrariando vários oftalmologistas. Creio ser esse, o elo de ligação tão forte, entre eu, meus pais e irmão.

DIAGNÓSTICO X TRATAMENTO

Portanto, quando descobrimos o mieloma que atingiu a minha mãe, acreditávamos que seria uma fase difícil, um tratamento forte, que poderia deixar algumas sequelas. Mas, como se tratava de uma pessoa muito forte, venceria a doença. Então, começou a rotina de tratamentos e quimioterapias no hospital Erasto Gaertner.

Mas, em um espaço de tempo muito curto, a doença foi se mostrando forte. Em seguida, ela perdeu os sentidos inferiores e sentia fortes dores na coluna. Até que, após a cirurgia, o médico nos comunica que sua coluna vertebral já estava bastante comprometida e frágil pela doença. Deixando-nos cientes, de que ela não voltaria a andar mais.

Enfim, com a falta de mobilidade e de circulação sanguínea, se exige cuidados especiais. Porque a pele se torna mais frágil e deve-se tomar o cuidado de virar o paciente de 3 em 3 horas, 24 horas por dia. E com os cuidados que ainda estávamos tendo em nossa casa. Em seguida, tivemos o serviço de home-care do plano de saúde, com toda equipe de enfermeiros, fisioterapeuta e etc.

HOSPITAL

Porém, mesmo com todos os cuidados, as grandes escaras foram inevitáveis em suas pernas e na região lombar. Assim como, as idas para o Erasto Gaertner passaram a ser cada vez mais frequentes. Parece que, nos demos conta, de que ela não teria mais alta para voltar a casa e estávamos morando no hospital.

E assim, acredito que ao todo foram aproximadamente dez meses de luta contra a doença. Nós moramos aproximadamente oito meses no hospital. Revezando-nos 24 horas por dia. Assumindo compromissos diários, de ajudar as enfermeiras do hospital a virar a paciente, dar banho e estar presente para o que precisasse. Pois, afinal de contas, ela já não se locomovia mais.

E semana após semana, parece que o quadro só piorava e os médicos só traziam notícias ruins. Dificuldade para digerir alimentos, cirurgia para bolsa de colostomia. E mais para o final, perda até de movimentos de membros superiores, perda de memória e raciocínio. Assim como, os remédios já não faziam mais efeitos, às dores eram constantes. Mas, o que mais me chamou  a atenção, diante de todo este quadro, foi que poucas vezes a ouvi se queixando disso ou daquilo. E ainda assim, se preocupando com a nossa família e principalmente com o meu pai.

AS PERDAS

O meu pai havia ido às pressas para Maringá, ver a sua mãe, (minha avó) que entrou na UTI, e deu tempo somente de se despedir. Acredite, eu e meu irmão sepultamos nossa querida avó e meu pai, no caso a sua mãe. Imaginando que daqui a algumas semanas, poderíamos ter outro.
Até que, em uma noite eu estava fazendo companhia para a minha mãe. Ela já sofria muito, ligo para o médico, ele vai até o hospital e orienta para sedarmos ela. Pois, os exames haviam piorado muito e já não tinha mais muito que fazer e uma vez que ela fosse sedada, já não voltaria mais.
Passado alguns dias neste estado, nos fizemos presente, mesmo que não precisasse mais. Entretanto, na noite do dia 14/11/2015, meu pai liga para casa ao amanhecer, que a mãe acabava de falecer.

SENTIMENTOS

O sentimento de dor e de alívio corre lado a lado. Pois, você não aguenta mais ver uma pessoa tão querida sofrer tanto. Mas, ainda não caiu a ficha de que você nunca mais terá esta pessoa. Neste momento, você fica perdido e a dor é muito grande. Porque, até que se passe velório e enterro, no nosso caso, sentimos uma paz muito forte.

Afinal, estávamos cientes de que fizemos de tudo que nos foi possível para ajudá-la nos tratamentos e de uma forma que sofresse menos. E jamais ela ficou um segundo sequer sozinha. Aí vem o luto, alguns dias para você colocar sua cabeça no lugar, para voltar a trabalhar e seguir sua vida em frente. Eu particularmente procurei tratamento psicológico, que me ajudou muito. E passei a ler ainda mais a Bíblia, pois já fazia isso no hospital.

Já na noite do sepultamento da minha mãe, lhe fiz uma jura. Acredito ser a melhor maneira possível de ser grato por tudo que ela e meu pai fizeram por mim. Que pelo menos aos olhos deles, eu me torne um grande homem e muito rico. Mas, da riqueza que o dinheiro não pode comprar, assim como ela foi e como ele ainda é.

HOMENAGEM

Escrevo este testemunho, primeiramente com o objetivo de homenagear a tão excepcional mãe e esposa Izaura Viana. Assim como, meu pai Antônio Carlos Camponez e meu irmão pela incansável dedicação a nossa mãe. Aos excelentes enfermeiros do Hospital Erasto Gaertner e a todos os amigos e familiares que nos ajudaram muito nesta fase. E este é o momento em sua vida, que vai lhe mostrar seus verdadeiros amigos e quem realmente se preocupa com você. Muitas pessoas que acreditávamos nos ajudar, nessas horas já não se fazem mais presentes. Espero que este relato possa ajudar outras pessoas que estão passando por algo parecido. No fim tudo vai dar certo. Porque hoje, somente uma frase me faz olhar para trás e entender tudo.

Nunca fomos fortes, sempre foi Deus.
Uma pessoa nunca morre, não enquanto houver alguém que a mantenha viva dentro de si.

Cristiane Assumpção - Perda da Mãe - RELATO ANDRÉ VIANA

*Imagem meramente ilustrativa.


ACOMPANHE MAIS CONTEÚDOS NAS REDES SOCIAIS:

Família Camponez Cristiane Assumpção - A Psicoterapia Pode Ajudar

André,
Gratidão pela confiança em compartilhar a sua história.
Um abraço acolhe
dor!

Showing 32 comments
  • Edilson
    Responder

    Minha mãe faleceu nos meus braços em 17/09/2020. Fazia 3 anos que eu não trabalhava, só cuidava dela. Tinha 83 anos. Minha mãe teve 5 filos, 2 faleceram. Eu sou o mais novo, já com 53 anos. Nunca me casei, diferente dos meus irmãos. Sempre preferi ficar cuidando da minha familia do que formar outra. Sempre fui aventureiro, vendia casa para montar comercio, viajava, fazia mil loucuras. E ela sempre comigo. Tinha um amor muito grande por mim. Dizia que tinha medo que um dia eu sumisse. Não ficava com nenhum dos meus irmãos e irmãs. Para tudo era eu. médico, viagens, qualquer coisa, era eu que tinha que estar ao lado dela, e eu amava isso. Como a gente sempre dizia, era eu e al contra o mundo kkk. Eu tinha uma intensa vida social, namorei muito, muitos amigos, mas ela era minha paz. me ensinou a gostar de animais, de plantas, de paz, de amor, de compaixão pelo próximo. Quando eu chegava bebado, carro batido, eu sabia que ela estava de joelhos, orando. Nunca me repreendia. Enfim, faz 7 meses e não sei como prosseguir. Não tenho animo pra continuar. Estou devastado. Não consigo procurar ajuda, pois me acho fraco. Como um homem forte como eu pode estar tão destruído? sinceramente, não sei o que fazer. Penso nela o dia inteiro, lembranças não saem da minha cabeça. Esta insupostável.

    • Cristiane Assumpção
      Responder

      Olá Edilson,

      Lamento pela perda da sua mãe.
      Buscar ajuda quando é necessário não é sinal de fraqueza, pelo contrário é preciso coragem.
      Como não estaria devastado com a morte dela? Faça o download da versão gratuita do meu e-book, tem uma parte sobre o luto do homem.
      O luto é para ser vivido e não reprimido.
      Cuide-se!

  • Lucia Maria Rossiter cartaxo
    Responder

    Boa noite a todos. Perdi meu pai dia 14/02/2018, vítima de infarto, principal sintoma, mas era diabético, hipertenso e sofria de Mal de Alzheimer; minha mãe faleceu dia 09/09/2020, 20 dias antes de completar 72 aninhos, vítima de infecção generalizada em consequência da bactéria KPC q alojou-se em sua prótese, no fêmur, pois ela tinha feito uma cirurgia recente É em menos de 15 dias após a cirurgia, ela se foi…
    Sinto-me desamparada nesse mundo, triste, sem perspectiva, apesar de estar fazendo tudo o q tenho ao meu alcance, tipo indo à casa de minhas irmãs, saindo com meu filho, trabalhando na escola, pois sou professora, … Eu e minha mãe estávamos fazendo o planejamento de minha festa de 50 anos dia 27/03/2021 escolhendo doces e outras coisas e agora ñ vejo MT motivação para seguir em frente. Continuo pagando todos os profissionais contratados e espero em Deus melhorar, mas choro MT ainda é sinto muito a perda de minha mãe. Eu cuidava dela pois ela estava cadeirante vítima de uma queda q sofreu em casa e fraturou o fêmur. Foi necessária a prótese e a cirurgia foi um sucesso, mas minha Pantera, minha mãe era brabinha, sabe? Meio malcriada, mas era uma defesa dela pq ela sofreu MT com meu pai, foi MT maltratada física e mentalmente por ele,ela era diabética e hipertensa é isso contribuiu, creio eu, para a dificuldade em resistir a infecção pela KPC.
    Hj Natal passei o dia praticamente dormindo para q passasse logo é eu ñ sentisse tanto a ausência dela, mas foi em vão. Ainda ñ sonhei com ela, nada, nenhum sinal. Isso é normal? Eu sempre dizia a ela q tinha medo dessas coisas e nem sei como ficarei caso tenhamos um contato espiritual. Sou evangélica e sei q ñ era prá pensar assim, pois na Bíblia se diz q após a Morte segue-se o juízo e q a pessoa dorme no Senhor, mas estou MT triste é tento buscar algum contato dela cmg, mas nada acontece… Espero o Consolo de Deus para as minhas perdas e q todos aqui encontrem a paz q precisam, assim como eu necessito tanto. Obrigado por me ouvirem e ñ critiquem por favor por abrir meu coração, pois é MT dor q sinto nesses 3 meses. Boa noite a todos e Feliz Natal. Luciana Rossiter.

    • Cristiane Assumpção
      Responder

      Olá Luciana,

      Receba o meu carinho e o carinho de todos aqui. Aqui é um espaço de ACOLHIMENTO e não de críticas, espero que encontre a sua paz. Perdeu o seu pai, sua mãe, importante vivenciar o seu luto, respeitar o seu tempo, entender que mesmo se a Bíblia diz ‘x’, as pessoas esperam por uma mensagem, um sonho, quem somos nós para criticar isso. A dor é sua! Talvez se sentir necessidade, seja importante conversar um psicólogo. Para te ajudar neste momento doloroso, pensar se mesmo sem a presença física da sua mãe, talvez pensar em continuar com os preparativos do seu aniversário. Se é algo importante para você, provavelmente ela gostaria que comemorasse esse dia especial.
      Vou deixar aqui o link do meu e-book gratuito, leia sobre como lidar com o luto https://cristianeassumpcao.com.br/baixe-o-meu-e-book/

      Um beijo,
      Cristiane

  • maria Silverlandia
    Responder

    olá bom dia, meu nome é Silverlândia a um mês e 10 dias perdi minha maezinha era que a chamava,minha mãe foi dormir bem e cordou com fortes dores ,levei ao hospital quatro dias depois éque foram descobrir que timha sido uma ulcera perfurada levaram para fazer a cirurgia , mais a cada dia só piorava ate no dia 27 de outubro ela faleceu de um infarto por consequencia da doença . Fiquei sem chão , mãe era tudo pra mim: amiga, companheira, conselheira ,meu porto seguro . Tem que penso que nao vou surpotar.

    • Cristiane Assumpção
      Responder

      Olá Maria,

      Lamento pela perda da sua mãe!
      Perder quem amamos é um poço profundo de sofrimento, por isso pensa que não irá suportar. Mas é possível lidar com a dor, é possível seguir a vida. Se perceber dificuldades para lidar, busque ajuda. Vou deixar o link do meu e-book, acredito que pode te ajudar. https://cristianeassumpcao.com.br/baixe-o-meu-e-book/

      Um abraço.

      • Sandra
        Responder

        Boa noite me chamo sandra perdi dia 23/12/20 meu porto seguro meu tudo minha amiga companheira minha filhota como costumava chamar ela sou a caçula nossa sofro muito pq estava com ela 24 hoas saimos juntas pra pagar contas ,consultas eramos inseparavel mas esse maldito virus tirou minha mãe de mim mas tbm creio que ela se foi pq Deus quis assim mas me sinto muito sozinha,desamparada ,desprotegida peço pra Deus me levar todos os dias a dor a falta a ausência esta demais amo demais tudo me lembra ela pra me consolar peguei um caderno e tudo que acontece escrevo no caderno como se estivesse contando pra ela ai choro mas me sinto bem.Perdi ela dia 23/12 minha irmã dia 30/12 e meu cunhado tbm dia 30/12 tudo com covid esta dificil meu luto.

        • Cristiane Assumpção
          Responder

          Olá Sandra,

          Puxa! Muitas perdas em um período curto, próximo a datas que talvez sejam significativas para você.
          Lamento por suas perdas. Que ótimo encontrar um recurso para lidar com o que está acontecendo, a escrita é terapêutica.
          Vou compartilhar aqui o link do meu e-book, acesse a versão gratuita acredito que vai te ajudar. E se perceber que está muito difícil lidar, busque ajuda adequada. https://cristianeassumpcao.com.br/baixe-o-meu-e-book/

          Um abraço!

        • Alexandre
          Responder

          Perdi minha mãe ontem pra essa doença tb, eramos grudados, erq só eu e ela

          • Cristiane Assumpção

            Olá Alexandre,

            Lamento pela perda da sua mãe.
            Receba o meu carinho e o acolhimento de todos aqui.
            Desejo que as boas lembranças traga conforto em seu coração e lhe dê forças para continuar. Faça o download do meu e-book gratuitamente, lá tem informações sobre o luto do homem.
            Cuide-se!
            https://cristianeassumpcao.com.br/baixe-o-meu-e-book/

        • Cristiane
          Responder

          Lamento muito Sandra eu também perdir minha mãe pra esse vírus nós duas éramos insuperável. Não me importo quem me criticar dá minha dor só Deus sabe o que eu atou passando. Os dias pra mim são assim que vejo o sol não tem mais brilho nos meus olhos a a lua não abraça as minhas noites, é isso que estou sentindo

          • Cristiane Assumpção

            Olá Cristiane,

            Lamento por sua perda, por sua dor.
            Espero que encontre apoio neste momento e não críticas. Muitas vezes, por falta de informação, as pessoas não são assertivas. Cada pessoa vivencia um luto de uma maneira, cuide de você, respeite sua dor.
            Um abraço.

  • Alan Batistela
    Responder

    Olá,

    Hoje, dia 21/11/2020 faz sete dias que perdi minha querida mãezinha… ela faleceu dia 14/11/2020, e a dor e o luto é muito forte. Fico um pouco confortado pelo fato dela ter sido uma mulher de fé, porém por outro lado, fico muito triste pelo fato dela sofrer por dois anos e meio numa cama, em consequência de um AVC. Sei que agora ela está nos braços do Senhor!!!

    Que Deus continue confortando nossos corações!

    • Cristiane Assumpção
      Responder

      Olá Alan,

      Desejo também que Deus conforte o coração de vocês!
      Difícil entendermos o por quê das coisas, o por quê dos “planos de Deus”…
      Acredito que quando enfrentamos situações assim, olhamos a vida de outra maneira.
      Então respeite o seu tempo de luto, respeite o que conseguiu fazer e cuide-se também!
      Vou deixar aqui o link do meu e-book, acredito que poderá te ajudar https://cristianeassumpcao.com.br/baixe-o-meu-e-book/

      Um abraço!

  • Naide
    Responder

    Todos os dias lembro-me de minha “Mãe”, q faleceu e parece q foi ontem, pq a saudade tá muito presente. Minha anunciou durante 5 meses sua morte, falou c/ um pastor para fazer a oração no seu enterro, escolheu seu sapato, seu vestido, agradeceu a cada um em particular e infelizmente se foi. Acredite, meu pai passou 59 anos, fazendo pegadinha a cada 1° de abril, dia da mentira, minha Mãe faleceu no 1° abr de 1916. Ainda me sem chão e muito triste, choro sempre. Sei q tivemos muitos momentos felizes, mas, não consigo lembrar nada além da sua morte, sei q a morte é um processo natural, mais tá difícil demais, qtas vezes cheguei a dizer: mamãe todo mundo vai morrer, porém e bem duido imaginar o nunca, o jamais… As vezes eu falava quem de vcs dois morrer primeiro oq ficar vivo, vai sofrer… Eu não me incluía, foi engano meu. Hj sei q queria dizer o qto eu amava minha Mãe, qto ela era importante e especial, acho estou devendo, por nunca ter estressado meus sentimentos. Minha mãe sempre será inesquecível e insubstituível. “TE AMO MÃE”

    • Cristiane Assumpção
      Responder

      Olá naide,

      Lamento sobre a perda da sua mãe! “TE AMO MÃE” certamente ela sabia do quanto você a amava!
      Muitas vezes, expressamos nosso amor de outra forma, de qualquer maneira está prestando sua homenagem.
      Um abraço!

  • Aderlan garcia
    Responder

    Boa tarde! Tem 10 meses que minha mãe faleceu, sempre fomos muito amigos e grandes companheiros apesar de não morarmos juntos, ela tinha 62 anos e tinham um problema muito sério no coração! Cheguei até me enternar com ela, procurei vários cardiologista no entanto no dia 2/9/19 meu sobrinho me ligou desesperado falando que ela está morta, foi terrível e ainda está sendo, sinceramente muitas vezes penso em desistir porque não estou mais aguentando tamanha dor! Parabéns por sua linda homenagem

    • Cristiane Assumpção
      Responder

      Olá Aderlan,

      Lamento por sua perda, se percebe dificuldade em lidar com a perda da sua mãe, busque ajuda de alguém.
      A dor de fato é intensa, mas existem recursos para te ajudar neste processo de luto, desistir não é a solução.
      Um abraço, ACOLHEdor!

    • Vilma
      Responder

      André parabéns pelo relato
      Perdi minha mãe há 5 dias, sinto enorme tristeza e adoeci
      Espero poder me reerguer e ficar bem
      Lindo seu depoimento

      • Cristiane Assumpção
        Responder

        Vilma,

        Receba o carinho de todos aqui. Lamento pela perda da sua mãe, os primeiros dias são realmente os mais difíceis.
        Cuide-se.

  • Marina
    Responder

    Oi André,
    Li o seu testemunho, e parece que estou lendo tudo que eu acabei de passar!
    Acabei de perder a minha mãe, tb de câncer, e tb uma mulher linda é tão saudável! Como é difícil aceitar tudo isso….
    Hoje, já a algum tempo depois da partida da sua mãezinha, vc pode me falar melhor como fica essa dor?? Conseguimos mesmo, um dia superar? Obrigada desde já !
    Marina.

    • Cristiane Assumpção
      Responder

      Marina,

      Lamento a perda da sua mãe. Peço licença, para comentar sobre o que perguntou ao André.
      Eu particularmente, não gosto da palavra, “superar”, penso que ninguém supera a perda de uma pessoa amada. Mas, acredito que é possível sim, seguirmos a vida com menos sofrimento, nos adaptarmos sem a presença do nosso ente querido. Respeite seu luto, vivencie o seu sofrimento, seguir a vida, não significa esquecer da sua mãe. E sim, amá-la para sempre.

      Um abraço acolhedor!

    • André Viana
      Responder

      Me procure nas redes sociais, desculpa,só li hoje. Se eu puder ajudar em algo. Talvez um bate papo seja bom.

      • Roseli
        Responder

        Boa noite André.muito bonito ,dedicado,seu relato,sim triste tbm,me chamo Roseli,hj completa 7 dias,que minha mãe faleceu,ela sofria de Parkinson estava dps d 4 anos seu quadro foi piorando,chegando a fase final,tinha ms filhos,ms eu cuidava diariamente,pois tbm ela morava comigo,ainda fico como se estivesse em um sonho,tentando m levantar encarar cd dia ,não é fácil,ms sabemos que Deus é quem sabe d td e d tds.Boa noite

  • Adriano
    Responder

    Oi Andre. Fico feliz peli seu testemunho e homenagem principalmente para a tia!!! Seus pais seprem foram excepicionais em relacao a vc e Heitor. Sinto muita saudades da tia!!!

    • Cristiane Assumpção
      Responder

      Olá Adriano,
      Obrigada pelas palavras de carinho em resposta ao relato do André!

  • Cristiane Assumpção
    Responder

    Olá Gregory,
    Sua história deve ser de muito Amor e dedicação também, sua mãe não está presente fisicamente, mas certamente sempre estará na memória dos que a amam.

  • Gregory Eduardo
    Responder

    Meu grande amigo e colega de faculdade André! Nossos caminhos já se reencontraram na pós-graduação e o destino aprontou e nos forçou a um reencontro desta vez não tão prazeroso.

    Há 2 anos, em setembro de 2016, minha mãe começou a passar mal e também foi diagnosticada com mieloma.

    Incrível as coincidências no tratamento, do avanço da doença à perda de esperança a cada dia que passava.

    O alívio com o partir dela foi o mesmo, saber que fiz o máximo e que por sequer um dia deixei de estar ao lado dela me confortou muito.

    Esse foi o primeiro dia das mães sem ela aqui comigo, próximo dia 03 de junho fará um ano que ela partiu. A saudade e a alegria de ter convivido e aprendido com ela se misturam.

    Parabéns irmão, já te admirava antes é isso só reforçou a imagem de grande pessoa que tenho de você.

  • Jackson Pruciano
    Responder

    Você e sua família são guerreiros André, pode ter certeza que onde sua mãe estiver ela está orgulhosa de todos vocês, que Deus abençoe grandemente sua família. E me perdoe pela minha ausência neste momento tão difícil que você passou. Forte Abraço…

    • Cristiane Assumpção
      Responder

      Olá Jackson,
      Obrigada pelas palavras de carinho em resposta ao relato do André!

  • Dani Azoubel
    Responder

    André, tempos antes de vc tornar público os fatos e seu propósito em si tenho dito: sua mãe continua viva em vc! Sua forma de pensar, agir e se comportar.. até seus cacuetes refletem essa realidade. Suas escolhas e o reconhecimento de que a base lhe foi dada por seu pai e mãe já deixá claro que a missão foi completada. E, nada.. mas nada mesmo passou desapercebido! Vc apreendeu que o verdadeiro amor consiste em ver e viver além de se mesmo!! Em ser o amparo e suporte… em ter-se extendido em outrem!!!

    • Cristiane Assumpção
      Responder

      Olá Dani,
      Obrigada pelas palavras de carinho em resposta ao relato do André!

Deixe um comentário

Morte do Animal de Estimação - Cristiane AssumpçãoComo Lidar com a Morte da Mãe - Cristiane Assumpção